Por que um Channel Slam é uma conquista rara?

O menor período de tempo entre dois slams é entre Roland Garros e Wimbledon. Dentro de quatro semanas, os jogadores precisam se adaptar às quadras rápidas de grama depois de jogar no saibro lento por dois meses. O jogador que melhor consegue se adaptar a essa transição de piso geralmente tem as melhores chances de vencer um Channel Slam, ou o Slam do Canal. Um Channel Slam é completado ou conquistado pelo jogador que consegue vencer Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano.

O torneio de Roland Garros começou em 1891, mas ele só era aberto aos membros dos Clubes Franceses no começo. Em 1925, o Aberto da França se tornou um evento internacional pela primeira vez. Wimbledon, por outro lado, foi um evento de Grand Slam desde 1877.

Quando o Aberto da França era um evento nacional, foi Jean Borotra o primeiro a vencer o Aberto da França e Wimbledon no mesmo ano, em 1924. Do lado feminino, Suzanne Lenglen, uma 8 vezes campeã de Grand Slams, com uma taxa de vitórias impressionante de 98%, venceu o Aberto da França e Wimbledon no mesmo ano em 5 ocasiões. No entanto, quatro delas (1920, 1921, 1922 e 1923) vieram quando o Aberto da França era um evento nacional.

Confira uma lista de todos os jogadores (homens ou mulheres) que venceram o Channel Slam.

1) Suzanne Lenglen

Suzanne Lenglen já havia conquistado cinco títulos de Wimbledon antes de entrar na primeira edição do Aberto da França como um grande torneio. Lenglen derrotou a britânica Kitty McKane por 6-1 e 6-2 para conquistar seu sexto título de Grand Slam. Lenglen venceu seis bagel sets em todo o torneio, perdendo apenas sete games a caminho do título. Lenglen também conquistou o título de duplas femininas e duplas mistas no mesmo torneio.

Em Wimbledon em 1925, Lenglen levou um passeio na primeira rodada. Ela enfrentou Kitty McKane mais uma vez, mas nas semifinais. McKane defendia seu título, mas Lenglen a derrotou para chegar à final. A francesa encarou a favorita Joan Fry na final. Lenglen venceu a partida depois de vencer seu nono bagel do torneio. Assim como no Aberto da França, Lenglen venceu nas duplas femininas e nas duplas mistas também.

2) Rene Lacoste

Sexto colocado da chave, Lacoste teve uma largada excepcional em sua campanha do Aberto da França em 1925, derrotando Shashidri Suvarna por 6-0, 6-0 e 6-0 na primeira rodada, seguida por uma vitória por 6-2, 6-0 e 6-0 em cima de C. Vuarin na segunda rodada. Ele enfrentou seu primeiro oponente formidável na terceira rodada, na qual ele venceu o indiano AA Fyzee com parciais de 6-4, 6-1 e 9-7. Na final, Lacoste enfrentou seu compatriota e companheiro dos Quatro Mosqueteiros do Tênis, Jean Borotra. Lacoste venceu a partida com parciais de 7-5, 6-1 e 6-4, conquistando o primeiro dos seus sete grandes títulos.

Jean Borotra era o atual campeão e teve sucesso em chegar à final de Wimbledon em 1925. Ele encarou seu compatriota Rene Lacoste na final. Depois de ganhar dois sets, Lacoste encontrou alguma resistência de Borotra, que levou o terceiro set. No quarto, Lacoste venceu a partida e o título do torneio com o placar do set de 8-6. Lacoste e Borotra venceram o título das duplas masculinas naquele ano.

3) Hellen Wills Moody

Em 1927, Helen Wills Moody venceu seu primeiro título de Wimbledon e seu quarto título do Aberto dos Estados Unidos. No ano seguinte, ela entrou no Aberto da França como a líder da chave e venceu seu primeiro título de Roland Garros. Ela teve sucesso em defender seu título em Wimbledon, derrotando Lili de Alvarez por 6-2 e 6-3 na final para completar o Channel Slam.

Nos dois anos seguintes, Moody defendeu com sucesso seus títulos em Roland Garros e Wimbledon, assim se tornando a primeira tenista, entre homens e mulheres, a vencer o Channel Slam mais de uma vez. Em 1932 ela repetiu a façanha pela quarta vez. No Aberto da França, ela disputou uma das partidas mais longas de sua carreira, vencendo por 6-3 e 10-8 Hilde Krahwinkel na semifinal. Ela derrotou a favorita local Simmone Matthieu por 7-5 e 6-1 na final para levar seu quarto título do Aberto da França. Em Wimbledon, a atual campeã Cilly Aussem se retirou da competição. Moody venceu a final contra Helen Jacobs com parciais de 6-3 e 6-1 para conquistar o quinto dos seus oito títulos de Wimbledon.

4) Cilly Aussem

Helen Moody não entrou nos torneios de Roland Garros e Wimbledon para defender seu título. A alemã Cilly Aussem completou o Channel Slam em 1931. No slam de saibro, ela derrotou Betty Nuthall por 8-6 e 6-1 na final. No SW19, ela perdeu dois sets no torneio inteiro antes de derrotar a compatriota Hilde Krahwinkel por 6-2 e 7-5 na final. Aussem nunca mais ganharia um slam em sua carreira.

5) Jack Crawford

Segundo colocado na chave do Aberto da França e de Wimbledon em 1933, Jack Crawford derrotou os líderes das chaves para conquistar seu Channel Slam. Em Paris, Crawford chegou à final e enfrentou o atual campeão Henri Cochet. Crawford venceu a partida com parciais de 8-6, 6-1 e 6-3 para conquistar seu primeiro título do Aberto da França e seu quarto título de Grand Slam.
Em Wimbledon, Crawford encarou o atual campeão Ellsworth Vines nas finais. O australiano venceu a partida com parciais de 4-6, 11-9, 6-2, 2-6 e 6-4 para conquistar seu único título de Wimbledon.

6) Fred Perry

Fred Perry e Gottfried Von Cramm eram dois dos melhores tenistas em meados dos anos 1930. Von Cramm defendia seu título e era o líder da chave no Aberto da França de 1935. Os dois se encontraram na final e o britânico líder da chave derrotou Von Cramm em 4 sets para conquistar seu quinto título de Grand Slam e seu primeiro título de Roland Garros.

Perry havia vencido três dos quatro slams em 1934. Um desses slams foi Wimbledon. Ele entrou em Wimbledon como o líder da chave em 1935, com Von Cramm em segundo. Mais uma vez, os dois se encontraram nas finais. Desta vez, o bretão foi ainda mais dominante do que tinha sido em seu encontro no Aberto da França e ele ganhou por três sets a zero para levantar a sexta das suas oito taças de Grand Slam.

7) Don Budge

Depois de Fred Perry, Don Budge dominou o mundo do tênis. Budge venceu os títulos de Wimbledon e do Aberto dos Estados Unidos em 1937, mas o que fez dele uma lenda do jogo aconteceu em 1938. O americano venceu todos os quatro slams em 1938, assim se tornando o primeiro homem a conquistar um Calendar Grand Slam. Para os padrões de Don Budge, a escalação de Roland Garros em 1938 foi bem modesta. Ele perdeu apenas três sets para conquistar seu primeiro e único título em Roland Garros.

Semanas depois, Budge chegou às finais de Wimbledon, onde ele defendeu seu título. Na final, ele derrotou Bunny Austin por 6-1, 6-0 e 6-3. Budge não perdeu um único set no torneio inteiro e também conquistou os títulos das duplas masculinas e das duplas mistas.

7) Budge Patty

Jaroslav Drobny era o líder da chave no Aberto da França em 1950. Como um favorito, ele passeou até a final para encarar o sétimo colocado da chave Budge Patty. Patty havia causado grande comoção nas semifinais ao derrotar o terceiro colocado da chave William Talbert por 13-11 no quinto set. Patty aproveitou ao máximo sua oportunidade na final e derrotou o líder da chave em outra partida de cinco sets para conquistar seu primeiro título de Grand Slam.

Frank Sedgman ganhou proeminência ao conquistar dois títulos consecutivos do Aberto da Austrália em 1949 e 1950. Ele entrou no Aberto da França de 1950 como o líder da chave. Em Wimbledon, Patty era o 5º e Sedgman era o segundo da chave. Patty derrotou Bill Talbert nas quartas de final. Nas finais, ele derrotou mais uma vez o líder da chave em sua segunda final de slam para completar o Channel Slam. Patty derrotou Sedgman por 6-1, 8-10, 6-2 e 6-3.

8) Maureen Connolly

Os anos de 1952-54 pertenceram à americana Maureen Connolly. Dos 12 slams disputados nesses três anos, Connolly venceu 8. O ano mais memorável da nove vezes campeã de slams foi 1953, quando ela se tornou a primeira mulher a completar um Calendar Slam. De Wimbledon em 1952 até o Aberto dos Estados Unidos de 1953, Connolly foi uma potência a ser batida nas chaves femininas.

A segunda colocada da chave Doris Hart era a atual campeã defendendo seu título de Roland Garros em 1953. Hart teve sucesso em chegar às finais sem perder um único set. Connolly perdeu dois sets a caminho da final. Numa batalha das duas melhores classificadas, Connolly derrotou Hart por dois sets a zero para conquistar seu primeiro título do Aberto da França. Em Wimbledon, as compatriotas foram as duas melhores da chave mais uma vez. Connolly defendeu seu título com sucesso, vencendo por 8-6 e 7-5 na final.

No ano seguinte, Connolly teve sucesso em defender seu título do Aberto da França, derrotando a décima primeira colocada da chave, Ginette Bucaille, por 6-4 e 6-1 na final. Em Wimbledon, Connolly conquistou seu terceiro título consecutivo e defendeu seu Channel Slam ao derrotar Louise Brough por dois sets a zero.

9) Tony Trabert

Tony Trabert havia vencido o Aberto dos Estados em 1953 e o Aberto da França em 1954. Em 1955, ele entrou no Aberto da França como o atual campeão e líder da chave; O americano chegou à final depois que seu oponente na semifinal se retirou no meio da partida. Na final, Trabert encarou o décimo primeiro colocado da chave, Sven Davidson. Davidson havia registrado três vitórias consecutivas contra jogadores mais bem classificados antes de chegar à final. No entanto, o sueco perdeu para Trabert na final após quatro sets.

Em Wimbledon, Tony Trabert entrou no torneio como o líder da chave. Ele derrotou o sexto ranqueado e atual campeão Jaroslav Drobny nas quartas por 8-6, 6-1 e 6-4. Nas semis, Trabert derrotou o compatriota Budge Patty com parciais de 8-6, 6-2 e 6-2. Na outra metade da chave, o jogador não ranqueado Kurt Nielsen derrotou Nicola Pietrangeli nas quartas após cinco sets.

A grande vitória do dinamarquês veio nas semifinais, quando ele frustrou o segundo colocado da chave Ken Rosewall com parciais de 11-9, 6-2, 2-6 e 6-4. Na final, Trabert venceu Nielsen confortavelmente por três sets a zero para conquistar seu quarto título de Grand Slam. Trabert também venceria o Aberto dos Estados Unidos naquele ano, o que seria o último título de slam de sua carreira.

10) Lew Hoad

Tony Trabert se tornar profissional significava que ele não poderia competir nos slams em 1956. O australiano Lew Hoad se tornou uma força a ser reconhecida em sua passagem súbita, porém efetiva pelos slams em 1956. Depois de vencer o Aberto da Austrália, Hoad foi o Nº.1 na chave do Aberto da França. Ele derrotou o terceiro da chave, Sven Davidson, por 6-4, 8-6 e 6-3 na final para conquistar seu segundo slam consecutivo.

Em Wimbledon, Hoad encarou seu compatriota Ken Rosewall na final. Hoad derrotou Rosewall em quatro sets para conquistar três slams consecutivos e o Channel Slam. No Aberto dos Estados Unidos daquele ano, Hoad ficou a uma vitória de completar um Calendar Slam, mas Rosewall teve sua vingança por Wimbledon e venceu a final do Aberto dos Estados Unidos.

11) Rod Laver

Rod Laver era uma sensação nos anos sessenta. O australiano havia vencido o Aberto da Austrália em 1960 e Wimbledon em 1961. Ele iniciou sua temporada de 1962 de maneira impressionante, vencendo o slam em Sydney mais uma vez. Em Roland Garros, ele era o líder da chave e seu arquirrival, Roy Emerson, era o segundo. Os dois se encontraram na final e Laver venceu sua terceira partida de cinco sets consecutiva. O líder da chave chegou a estar perdendo por 0-2 antes de iniciar uma recuperação notória para vencer. Em SW19, Laver derrotou seis jogadores de nacionalidades diferentes ao longo de sete partidas. Na final ele levou a melhor mais uma vez sobre seu compatriota Martin Mulligan, o derrotando por 6-2, 6-2 e 6-1.

Laver continuou em frente e completou o Calendar Slam ao vencer o Aberto dos Estados Unidos naquele ano. Pelos cinco anos seguintes, Laver não ganhou nenhum slam. Quando a Era dos Abertos começou em 1968, Laver terminou a sua seca de slams ao ser o primeiro campeão de Wimbledon da Era dos Abertos. No ano seguinte, Laver repetiu seu sucesso de 1962 nos Majors. Ele venceu todos os quatro slams mais uma vez e se tornou o primeiro jogador a vencer dois Calendar Slams.

Na sua segunda conquista de um Channel Slam, Laver derrotou o atual campeão Ken Rosewall por três sets a zero na final francesa. Em Wimbledon, ele derrotou o ex-Nº. 1 do Mundo John Newcombe em quatro sets. A versão do Channel Slam de 1969 de Laver foi a primeira a ser transmitida em televisão a cores. O título do Aberto dos Estados Unidos do Rocket daquele ano seria o décimo primeiro e último título de Grand Slam no simples de sua carreira.

12) Margaret Court

Margaret Court é detentora de um recorde de 24 títulos de Grand Slam no simples. Ela já havia vencido 13 títulos de Grand Slam antes da Era dos Abertos começar. O Career Grand Slam de Court foi completado em 1963, mas a sua maior conquista veio em 1970. Durante a temporada de 1969, Court venceu todos os títulos de Grand Slam, exceto Wimbledon.

Em 1970, ela defendeu com sucesso seu título no Aberto da Austrália. Em Paris, a Australiana teve sucesso em defender seu título ao derrotar Helga Niessen na final e conquistar seu quinto título do Aberto da França. Wimbledon testemunhou Court reivindicar seu terceiro título do torneio, o primeiro na Era dos Abertos, o que a levou a se tornar a primeira mulher a completar o Career Grand Slam na Era dos Abertos. Ela derrotou Billie Jean King em uma das disputas mais acirradas em finais femininas em Wimbledon. Court venceu por 14-12 e 11-9. Court também viria a defender seu título do Aberto dos Estados Unidos e se tornar a primeira mulher a completar o Calendar Slam na Era dos Abertos.

13) Evonne Goolagong

O tênis feminino estava em ascensão nos anos setenta. O número de tenistas femininas cresceu globalmente e elas também lutavam para igualar o prêmio em dinheiro que era dado aos homens. Uma das tenistas mais inspiradoras dessa geração foi a australiana Evonne Goolagong. Ela venceu sete títulos de Grand Slam no simples e foi uma das jogadoras mais dominantes no início dos anos 70, ao lado de Margaret Court e Billie Jean King. A conquista do Channel Slam de Goolagong veio um ano depois do Calendar Slam de Court.

O torneio de Roland Garros de 1971 viu Goolagong conquistar seu primeiro grande título ao derrotar sua companheira australiana Helen Gourlay por 6-3 e 7-5 na final. A vitória de Goolagong em Wimbledon foi uma de suas maiores vitórias, pois ela derrotou Billie Jean King e Margaret Court em partidas consecutivas. Nas finais, a moça de New South Wales venceu com parciais de 6-1 e 6-1 a atual campeã Margaret Court. Nove anos depois, Goolagong se tornaria a segunda mãe a vencer Wimbledon desde 1914.

14) Billie Jean King

Billie Jean King venceu 12 títulos de Grand Slam em sua carreira. King venceu seu primeiro grande título em 1966 e venceu pelo menos um slam por ano até 1975, exceto em 1969 e 1970. A americana teve seu ano mais bem-sucedido em 1972, vencendo três dos quatro slams.
Nas finais de Wimbledon e de Roland Garros, King enfrentou a atual campeã, Evonne Goolagong. King venceu por um placar similar em ambas as finais: 6-3, 6-3.

15) Chris Evert

Depois de Billie Jean King, Gladys Heldman e os esforços das Original Nine, um novo circuito foi formado em 1973 para as tenistas femininas, conhecido como Circuito Virginia Slims. Atualmente, nós o conhecemos mais popularmente como Women’s Tennis Association. King, ao lado de Goolagong e Court, ainda acumulava títulos de slams. Mas na temporada das quadras de saibro de 1974, um novo rosto surgiu em Roland Garros. Margaret Court não entrou no torneio, então ela não defendeu seu título. O torneio foi dominado por uma jovem da Flórida de nome Chris Evert.

Evert conquistou os títulos do simples em Roland Garros e em Wimbledon, derrotando Olga Morozova da União Soviética nas finais por dois sets a zero. Esses foram os dois primeiros dos 18 títulos de Grand Slam de Evert. Notadamente, no Aberto da França, Evert também conquistou o título das duplas em parceria com Olga Morozova.

16) Bjorn Borg

Nenhum homem foi tão bem-sucedido quanto Bjorn Borg quando o assunto é Channel Slams. O tenista rockstar dos anos 70 venceu 11 Majors em sua carreira. Borg venceu seu primeiro título em 1974, mas deixou sua marca globalmente no final da década. Em 1978, o sueco não perdeu um único set a caminho da vitória em Roland Garros. Ele derrotou o atual campeão Guillermo Vilas para conquistar seu quinto título de Grand Slam. Em Wimbledon, Borg teve sucesso em defender seu título após derrotar Jimmy Connors nas finais pelo segundo ano consecutivo.

O jogador não ranqueado Victor Pecci Sr. foi o desafiante de Borg em Roland Garros em 1979. Borg passou por cima do paraguaio em quatro sets para defender seu título. O quinto classificado da chave Roscoe Tanner abriu 2-1 na final em Wimbledon contra Borg em 1979. O líder da chave venceu os outros dois sets para erguer seu oitavo título de Grand Slam.
De todos os tenistas suecos, ninguém teve tanto sucesso quanto Borg.

Pelo terceiro ano consecutivo, Borg venceu o Channel Slam, fazendo dele o primeiro homem na história do tênis a conquistar o Channel Slam três vezes. Ele alcançou esse feito em 1980. Em Roland Garros, ele derrotou Vitas Gerulaitis por três sets a zero para conquistar seu quinto título de Roland Garros. No entanto, a partida de maior destaque de Borg veio na final de Wimbledon. Numa partida para definir uma rivalidade, Borg derrotou John McEnroe por 1-6, 7-5, 6-3, 6-7(16) e 8-6 e conquistou seu quinto título consecutivo em Wimbledon. A partida frequentemente é considerada como uma das maiores partidas de todos os tempos.

17) Martina Navratilova

A era de domínio de Martina Navratilova começou em 1982. Porém, antes de 1982, a tcheca colocou duas taças de Wimbledon e uma do Aberto da Austrália em sua estante. No primeiro slam da temporada de 1982, Navratilova defendia seu título, mas perdeu para Chris Evert depois de três sets. Em Roland Garros, Navratilova derrotou a atual campeã Hana Mandlikova na semifinal para travar uma disputa com Andrea Jaeger, que havia derrotado Chris Evert nas semis, na grande final. Navratilova venceu seu primeiro Aberto da França por 7-6 e 6-1. Navratilova entrou em Wimbledon como a líder da chave, e a atual campeã Chris Evert era a segunda. As duas ficaram frente a frente na final. Navratilova destronou Evert para completar seu Channel Slam e conquistar seu quinto slam.

Em 1983, Evert reivindicou seu título no Aberto da França. No entanto, no ano seguinte, Navratilova recuperou a posse da Coupe de Suzanne Lenglen vencendo o título e vencendo todos os quatro slams naquele período. Outra vitória sobre Evert em Wimbledon 1984 levou Navratilova a ter conquistado até então três títulos de Wimbledon em sequência. Ela ainda conquistaria Wimbledon em 1985, 1986 e 1987. O nono título de Navratilova e seu último slam viria em 1990.

18) Steffi Graf

Em 1987 Steffi Graf venceu seu primeiro Grand Slam na França ao derrotar Martina Navratilova nas finais. Parecia que a chave feminina estava vendo uma troca na guarda. A alemã realmente era a próxima sensação do tênis feminino, pois ela fez o que poucas foram capazes de conseguir. Em 1988, Graf venceu todos os quatro slams, completando o Calendar Slam.

Depois de derrotar Chris Evert na final do Aberto da Austrália, Graf entrou em Roland Garros como a líder da chave e derrotou Natasha Zvereva por 6-0 e 6-0 em 32 minutos, sendo o único bagel duplo registrado numa final de slam na Era dos Abertos. Em Wimbledon, Graf derrotou a seis vezes defensora do título Martina Navratilova por 5-7, 6-2 e 6-1 para conquistar seu primeiro título em Wimbledon e o Channel Slam. Graf venceria o Aberto dos Estados Unidos e a medalha de ouro olímpica naquele ano, tornando-se a única tenista a conquistar o Golden Slam.

No início dos anos 90, Steffi Graf teria uma nova concorrente. Monica Seles estava em ascensão, reivindicando setes títulos de Grand Slam entre os Abertos da Austrália de 1991 e de 1993. Seles foi esfaqueada um mês antes de Roland Garros em 1993, portanto, não pôde competir para defender seu título no slam de saibro. Graff venceu o título ao derrotar Mary Joe Fernandez na final. Em Wimbledon, a Fraulein Forehand derrotou Jana Novotna em sua terceira aparição consecutiva na final de Wimbledon. Nesse ponto, Graf empatava com Navratilova como a segunda mulher a completar o Channel Slam na Era dos Abertos.

Em meados dos anos 90, Arantxa Sanchez Vicario era outra variável em ascensão no cenário feminino. No entanto, Graf se manteve constante. Em 1995, ela derrotou Vicario, que defendia seu título no Aberto da França na final. Vicario foi vítima de Graf mais uma vez nas finais de Wimbledon. Esse foi o 17º Grand Slam de Graf no simples. No ano seguinte, Graf defendeu seu Channel Slam, derrotando Vicario mais uma vez em Roland Garros e em Wimbledon. A vitória de Graf em Wimbledon em 1996 fez dela a mulher mais bem-sucedida nos Grand Slams, pois ela superou os recordes de Chris Evert e Martina Navratilova. Graf terminou sua carreira com 22 títulos de Grand Slam. Ela venceu quatro Channel Slams em sua carreira, o que faz dela a tenistas mais bem-sucedida na Era dos Abertos, conquistando a dupla Wimbledon-Aberto da França em quatro ocasiões.

19) Rafael Nadal

Rafael Nadal defendia seu título de Roland Garros pela terceira vez quando entrou na edição de 2008. Pelo terceiro ano seguido, ele enfrentou Roger Federer na final e pelo terceiro ano consecutivo, ele derrotou Federer na final do Aberto da França. Essa foi a pior derrota de Federer numa final de Grand Slam, pois Nadal venceu por 6-1, 6-3 e 6-0. Nadal venceu o torneio sem perder nenhum set.

Em Wimbledon, tivemos mais uma vez um embate entre Federer e Nadal. A partida foi a mais longa da história de Wimbledon e Nadal venceu com parciais de 6-4, 6-4, 6-7, 6-7 e 9-7. Muitos a consideram a maior partida de tênis de todos os tempos.

Dois anos depois, Nadal conquistaria o título de Roland Garros pela quinta vez, derrotando Robin Soderling na final por três sets a zero. No torneio de Wimbledon de 2010, Federer, que era o atual campeão, sofreu uma derrota chocante para Tomas Berdych nas quartas de final. Berdych chegou às finais, mas Nadal o derrotou por três sets a zero e conquistou seu segundo Channel Slam.

20) Roger Federer

Antes de 2009, Federer havia vencido 13 títulos de Grand Slam, mas nenhum deles veio em Roland Garros. Ele chegou às finais de 2006, 2007 e 2008, mas perdeu para Rafa Nadal em todas as ocasiões. Em 2009, Robin Soderling causou uma reviravolta, derrotando o quatro vezes campeão Rafa Nadal na quarta rodada. Federer encontraria Soderling na final e o derrotaria por 6-1, 7-6 e 6-4. Federer completou seu Career Grand Slam com esse título.

Em Wimbledon, Nadal defendia seu título, mas se retirou do torneio devido a uma lesão no joelho. Federer encontrou Andy Roddick na final e, numa das finais mais excitantes de Wimbledon, o suíço venceu com parciais de 5-7, 7-6, 7-6, 3-6 e 16-14 para conquistar seu décimo quinto Grand Slam, assim superando Pete Sampras como o líder de todos os tempos em títulos do Grand Slam masculino. A partida foi a mais longa de uma final de Wimbledon em termos de games disputados e Roddick perdeu para Federer pela terceira vez numa final de Wimbledon.

21) Serena Williams

Em 2002, Serena Williams enfrentou sua irmã mais velha, Venus Williams, na final. A irmã mais nova das Williams havia vencido o Aberto dos Estados Unidos de 1999, que tinha sido seu único grande título até 2002. Serena havia derrotado a atual campeã, Jennifer Capriati, nas semifinais. Ela derrotou Venus na final com parciais de 7-5 e 6-3.

Em Wimbledon, Serena encarou Venus mais uma vez na final. O resultado foi o mesmo, com Serena vencendo a partida por 7-6 e 6-3. Esse foi o primeiro slam que Serena venceu sem perder nenhum set. Ela se tornaria a Nº.1 do ranking pela primeira vez em sua carreira após completar o Channel Slam.

O Aberto da França de 2015 teve Lucie Safarova derrotando a atual campeã Maria Sharapova na quarta rodada. Safarova chegaria à final para enfrentar Serena Williams. Williams venceu a partida em três sets e conquistou seu terceiro Aberto da França e seu terceiro Career Grand Slam.
Wimbledon teve Serena chegando às finais de um grande evento mais uma vez. Ela enfrentou Garbine Muguruza na final. A espanhola foi derrotada por dois sets a zero e Serena se tornou a mulher mais velha a vencer um Major. Ela também detém o recorde pelo intervalo mais longo entre a dupla Aberto da França-Wimbledon.

22) Novak Djokovic

O Aberto da França de 2021 foi histórico pelo fato de Novak Djokovic ter vencido seu segundo título no Slam de saibro e também ter se tornado o primeiro homem a completar um Career Grand Slam duplo na Era dos Abertos. O sérvio derrotou o quatro vezes defensor do título Rafael Nadal nas semifinais, marcando o que foi somente a terceira derrota do espanhol em 108 partidas. Na final, Djokovic derrotou Tsitsipas apesar de ter perdido os dois primeiros sets.

No torneio de Wimbledon de 2021, Djokovic defendia o título pela segunda vez. Como o líder da chave, ele perdeu apenas dois sets no torneio inteiro e conquistou seu sexto título de Wimbledon e seu 20º título de Major. Na final, ele derrotou Matteo Berrettini em quatro sets. Isso também fez dele o quinto homem a vencer o Channel Slam na Era dos Abertos e o segundo homem desde Rod Laver em 1969 a vencer o Surface Slam (vencer um Major em todas as superfícies no mesmo ano).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Betano Brazil